terça-feira, 29 de abril de 2008

Dicas Para Autores Independentes


Muitos escritores se vêem em um dilema assim que terminar o seu livro. Alguns, vivem isso antes mesmo de começar: publicar por uma editora ou publicar independente?

Listei aqui algumas vantagens e desvantagens de cada modo; é um resumo, aos poucos vou postando mais artigos sobre o assunto. Confira também no canto direito o link “Matérias para autores independentes” ele direciona a um blog com muitos artigos sobre publicação de livros.

Publicar por editora (forma tradicional):

Desvantagens:

  • Devido a estrutura do mercado, à mentalidade das editoras, ao público que, em parte, não é aberto a novos autores, e a uma série de fatores, é muito difícil para o autor iniciante ou pouco conhecido ser publicado por uma grande editora. As chances aumentam o pouco quando se vai para médias e pequenas editoras, ainda assim as chances são pequenas. Dependerá em muito de ter um contato. Lamentavelmente a maioria dos livros não são publicados por suas qualidades, muitos não são nem mesmo publicados por seu valor comercial, mas por simples coleguismo, influencia, troca de favores e toda esse imundice que é comum em todas as áreas do Brasil. Não fosse assim, quem no mundo publicaria a biografia do Roberto Marinho, livros do José Sarney, auto-biografia do Henry Sobel etc...

  • Um grande investimento pode fazer qualquer produto (e no mercado livro é apenas mais um produto) se ter uma boa venda. Vide a lista dos bestsellers. Por outro lado, raramente um livro, não importa quão bom ou quão comercial ele seja, terá êxito sem um investimento real. E as editoras realmente investem em 2, 3 livros por ANO. Algumas vezes um único título se torna o carro chefe de um semestre inteiro. As chances que o seu livro seja um deles é muito pequena, em especial por que em geral eles são livros estrangeiros. Então, pode acontecer de um editora publicar o seu livro e ele ser um fracasso de vendas simplesmente porque não ouve investimento. Um exemplo, Paulo Coelho publicou o seu primeiro livro, Diário de um Mago, por um editora pequena, e foi um fracasso de vendas. Não chegou às 900 cópias vendidas (e isso para alguém que tinha sido parceiro do Raul Seixas, feito diversas músicas, letras, e era relativamente conhecido). Então ele mudou para um editora maior, Raul Seixas morre, ele lança o segundo livro que vende milhões. Nada é por acaso.

  • Apesar das editoras polidamente afirmarem que lêem todos os originais, veja alguns números:

Companhia das Letras – recebe cerca de 100 originais por mês

Rocco - 40 a 80

Objetiva - 640 em 1996, hoje certamente este número é muito maior

Record - 100

As editoras, que ainda trabalham com o antiquado sistema de ler todo o original, ao invés de pedir somente o resumo com 3 primeiros capítulos, teriam que ter um departamento só para ler os originais. E eles não têm, claro. Até mesmo porque os livros recebidos para análise além de não serem lidos não serão publicados. As editoras não investem em autores iniciantes ou pouco conhecidos. A Record, por exemplo, que publica cerca de 450 títulos por ano, nos últimos 12 anos publicou apenas 2 originais recebidos pelo correio. Se você quer publicar por uma editora, pense em uma alternativa, faça contatos, construa relações ao invés de esperar por uma resposta que nunca virá.

  • O autor tem pouca autonomia na produção do livro. O texto é editado, às vezes o seu próprio nome, capa, imagem, forma de divulgar... tudo é definido pela editora.

Vantagens:

  • A autora de harry potter, stephen king, Paulo coelho etc... não existiriam como autores independentes.

Uma editora tem um rede de contatos, distribuição e um potencial comercial que nenhum autor ind. pode ter. Isso não quer dizer que elas vão sempre usar esse poder, e só o fazem com alguns títulos devido ao risco, investimento...

  • Se você não quer se preocupar com distribuição, impressão, pré-produção, editoras farão isso

  • Você não investe muito mais do que o seu trabalho.

Publicação Independente

Vantagens:

  • integridade da obra. Ao contrário de quando se publica por uma editora, a sua edição vai sair do jeito que você quer. Ninguém na gráfica sugerir mudanças. O texto é seu, completo e integro.
  • Pode parecer estranho, mas tirando os medalhões do mercado, a publicação ind. pode ser mais interessante para autores. Veja um calculo simples:

Se um livro na loja custa R$ 40,00, por uma editora você ganhará em média entre 5 e 10%, em casos de autores consagrados excepcionalmente 12%. Se você conseguir 7%, será um bom acordo, e sua comissão será de 2,80 por livro.

Se você publicar esse mesmo livro ind., de R$ 40,00 você, se conhecer um pouco sobre como publicar um livro, mercado ind., ganhará pelo menos 75%, ou 30,00. Nesse exemplo, para cada livro q você vende de forma ind. você teria que vender cerca de 12. é uma proporção muito grande. Vender 150 livros de forma ind. é perfeitamente tangível, não precisa ser muito experimentado, tendo um pouco de vontade. Mas vender 1.800 seja por editora ou não, ai já é outra história.

Sem dúvida quando se vende em livrarias essa margem cai bastante, mas ainda assim é muito superior a tradicional.

Alguém poderia dizer que é muito mais fácil vender através de uma editora. Não necessariamente. A primeira tiragem de um livro gira em torno de 2.000, 3.000 cópias. De cada 10 livros publicados por uma grande editora (foi feita uma pesquisa, se alguém quiser posso pegar a fonte) 7 dão prejuízo! 2 cobrem os gasto e só 1 desses dá lucro. Os números são ainda piores se fossemos levar em conta só literatura brasileira, que vende muito menos que estrangeira. Infelizmente, muitos autores brasileiros, alguns até conhecidos, não conseguem vender seus 2 ou 3 mil exemplares iniciais.

· tempo. O processo de seleção, contrato, revisão, edição, pré-impressão... dura em média 2 anos em uma editora. Publicando de forma ind. seu livro pode estar pronto em 3 meses, ou em algumas semanas se você tiver um bom conhecimento de como publicar.

· Direitos autorais serão sempre seus

DESVANTAGENS

· Exige um investimento – tempo, dinheiro (seja seu ou de patrocínios), dedicação e muita vontade para ter êxito.

· É um risco caso todo o investimento saia do seu bolso e do seu calendário

· Você não vai se tornar uma danielle steel publicando de forma ind., mas pode viver de suas criações, existem muitos autores que conseguem isso.

· Conhecimento é muito importante para ter êxito, seja profissional, financeiro ou pessoal. Por isso espero lançar em breve um livro sobre o assunto. Antes de mais nada, todos que trabalham com produção independente (seja do que for) precisam valorizar esse mercado. Há vida do lado de fora das embalagens de plástico.

Existem outras vantagens e desvantagens para cada tipo de publicação, mas acho que as principais estão cobertas. Nos próximos dias falarei sobre impressão sob demanda, como conseguir patrocínio e parcerias com editoras.

Depois dê uma olhada no meu último livro, independente, Conexões. Ele está à venda em várias capitais e pela Internet via Livraria Cultura. No link CONEXÕES, no canto direito, abre uma tela com o link do endereço de todas as livras que está à venda. Está faltando a lista de Recife, mas está nas principais da cidade (cultura, saraiva, imperatriz) 24.04.08

12 comentários:

Marcelo disse...

Muito legal seu blog. Realmente achei interessante sobre o que você expos acerca da publicação de livro, tanto independente quanto por editora. Tenhos dois romances prontos, mas ainda não estão publicados. Creio que essa materia me ajudou bastante. Abraço

lilyluft disse...

Se eu publicar um livro de forma independente, tenho que ter firma/empresa, para vender para livrarias? Não há necessidade de recibo? Como seria o processo? Poderia ser como auntonoma?

Grata,

Lily

Luciano Costa disse...

Rapaz...
Dá um certo alívio e esperança este texto aí. Coisa de pé no chão.
Tô estudando a alternativa independente. No meu caso é conto infantil, curto, mas com ilustração. Dicas de como isso pode ficar bonito e ainda sim barato? Tem aí?
Já começo a tatear com mais segurança este caminho. Isso cisma de virar coragem eu nasço em breve.
Vou por aí. Vou te contando.
Abraço

Luciano Costa disse...

Rapaz...
Dá um certo alívio e esperança este texto aí. Coisa de pé no chão.
Tô estudando a alternativa independente. No meu caso é conto infantil, curto, mas com ilustração. Dicas de como isso pode ficar bonito e ainda sim barato? Tem aí?
Já começo a tatear com mais segurança este caminho. Isso cisma de virar coragem eu nasço em breve.
Vou por aí. Vou te contando.
Abraço

Diego J. disse...

Olá meu nome é Diego, gostei muito do seu site. Sou autor de quadrinhos independente estou buscando opções de publicação. Minha dúvida é como você conseguiu ditribuição em várias capitais de forma independente? Quanto porcento você está recebendo por seu livro dessa forma?
Gostaria de entrar em contato com vc.

meus emails:

diegojose_@hotmail.com
diegojoselima@gmail.com

Teresa Souza disse...

Adorei os esclarecimentos, obrigada.
abs, Teresa Souza

Anônimo disse...

gostei muito estou com meu livro pronto quero saber se na publicação indepente posso fazer tudo so e sem ter que cadastrar ou registrar firma
abraço seleida maria 15 de novembro pompeu mg

Luciano Costa disse...

Olha só, sobre os direitos autorais é preciso saber qual a sua perspectiva ao publicar e também a sua posição política sobre esta questão. Sim, posição política, sobre o direito privado aos produtos e mercadorias. A quem defenda a liberdade de uso sobre as produções, diminuindo ou anulando a mercatilização. A quem defenda o direito de exclusividade de sua criação. Qual seria a sua posição? Se não pretende liberar o uso e reprodução de seus conteúdos é bom registrar e fazer os trâmites da Fundação Biblioteca Nacional, para ter respaldo legal se necessário.
Abraços,
Luciano

Orlando Winkler disse...

Muito bom mesmo esse artigo. coloquei o link desse assunto no meu blog, pois acredito que ele serve de norteador para outras pessoas (orlandowinkler.blogspot.com).

ROSEANE ANDRADE disse...

EU PUBLIQUEI UM ROMANCE INDEPENDENTE. VENDI OS 500 EXEMPLARES. ACHEI MUITO INTERESANTE ESSA PUBLICAÇÃO INDEPENDENTE. COM CERTEZA, FOI MAIS LUCRATIVA.NETSTE ANO VOU PUBLICAR O SEGUNDO E PROVAVELMENTE SEJA INDEPENDENTE TAMBÉM.

Guinevere Donoghue disse...

Não quer ser troller não, mas por ser escritor, você escreve bem mal... Há inúmeros erros nesse artigo, palavras omitidas, uso demasiado de abreviações. Se você tem um blog sobre dicas para autores, no mínimo você deveria dar uma passada de olho em seus artigos para pegar esses erros horríveis antes de postar!

Mas... a minha opinião. Eu trabalho como editora ajudando autores independentes há anos e percebo que, principalmente no ramo de não ficção, é muito mais fácil vender livros utilizando-se do canal da internet para fazer divulgação e fechar vendas do que se os mesmos autores "se vendessem" para editoras remomadas em troca da publicação de seus livros. Na maioria dos casos esses livros acabam empoeirados no fundo de prateleiras nas livrarias.

Publicar com editora grande só vale a pena se o que a pessoa está procurando é o prestígio e a credibilidade como suporte para uma carreira como palestrante, consultor ou mesmo em uma profissão em que impressionar os clientes com esse tipo de credencial conta "pontos".

Para todos os outros casos, principalmente para quem quer sobreviver da venda de livros, o negócio é publicar de forma independente e vender pela internet.

Vivendo e aprendendo disse...

Boa tarde, gostei bastante do seu post. Tenho uma coleção de livros e gostaria de lançar de forma independente, mas como são livros infantis, estou na dúvida de como garantir um melhor preço na impressão. Além de escritora, sou ilustradora, então meus livros já estão prontos. Tem alguma dica de como proceder. As impressões precisam ser colorida.s e com capa dura.